“A mágica virtude que tem uma Carta de Bacharel”

No dia 16 de julho, a tese de Adelina Novaes, “Por uma análise psicossocial dos cursos de Direito”, foi aprovada com grau máximo no Doutorado em Psicologia da Educação da PUC/SP. Após demonstrar que as Faculdades de Direito foram criadas no Brasil, logo após a independência, para formar a elite dirigente e criar representações próprias do país, a pesquisa passou a averiguar se, atualmente, os cursos de Direito ainda mantêm tal finalidade, e se é por esta razão que os alunos decidem estudar Direito. Assim, em 2006, Adelina pediu a duas turmas de um curso de Direito “cuspe e giz”, da Zona Leste de São Paulo, que, sobre uma folha em branco, desenhassem o mapa do Brasil. Além disso, pediu que escrevessem algumas palavras sobre o Brasil e sobre ser brasileiro. Ela estava diante de alunos trabalhadores, com família para sustentar, numa faixa etária de 21 a 50 anos, que declararam não ter o hábito de ler ou ir ao cinema. Três anos depois, Adelina retornou ao curso e realizou entrevistas com os estudantes que sobraram destas turmas (a maioria evadiu ou migrou para outras universidades ainda mais baratas). O material colhido por Adelina é fascinante e devastador. Os desenhos revelam uma motricidade atrofiada: parecem rabiscos de crianças de 5 anos. O Brasil aparece solto na folha. Nenhum aluno referiu uma fronteira sequer, o que levou Adelina à metáfora da jangada de pedra: para eles, o Brasil não faz parte do mundo – aliás, que mundo? As palavras mais referidas sobre o Brasil são carnaval e futebol; sobre o brasileiro, alegre e batalhador. Corrigindo: a mulher brasileira é apresentada como batalhadora – parece que os homens afirmam-se neste imaginário como “cuzões” (lembrei da fala de uma personagem do filme “Sonhos Roubados”, recuperada na crônica de Contardo Calligaris Novas Mulheres). Sobre a razão para estudar Direito, num país que tem 638.741 estudantes de Direito matriculados em 1080 cursos (Censo de 2008), prevaleceria ainda a idéia de D. Romualdo Seixas, da “mágica virtude que tem uma Carta de Bacharel, que transforma os que têm a fortuna de alcançá-la em homens enciclopédicos e aptos para tudo”? Sim e não. A autora analisa minuciosamente as imagens e as palavras, com ajuda de um arsenal teórico valioso, sob a orientação segura de Clarilza Prado de Souza, uma craque em pesquisas deste tipo. Constrói uma crítica implacável da educação jurídica no Brasil, e chega a suculentas conclusões que não mencionarei, pois seria como contar o fim de um filme muito bom – afinal, participar desta banca foi um dos grandes prazeres da minha carreira. Aguardem, então, a publicação da tese. Só adianto aqui no blog:

1) este “mapa do Brasil” em que a linha pontilhada do coração representa, segundo a aluna que o desenhou, a dúvida que macula o seu amor pelo país; 2) e uma frase de Adel em sua conclusão: “os cursos de direito poderiam tomar a frente e empreender novos rumos, novas trajetórias, novas construções para fazer do profissional de direito um protagonista social, nos termos – mas provavelmente não na forma – das aspirações daqueles que iniciaram os cursos de Direito no Brasil”. Chapeau, Madame ! (Deisy Ventura, IRI/USP).

Anúncios

6 pensamentos sobre ““A mágica virtude que tem uma Carta de Bacharel”

  1. Completei no último semestre cinco anos de docência em cursos de direito e sinto uma curiosidade tremenda em saber as conclusões de tal tese.

  2. Acompanhei, ao longo dos últimos anos, o trabalho de elaboração da tese de minha amiga Adelina Novaes. É um prazer enorme ver o reconhecimento público de sua qualidade, ainda mais partindo de profissional e crítica das mais sérias e engajadas que conheci até hoje, Deisy Ventura. Aos curiosos, aguardem a publicação! As conclusões da autora são, deveras, “suculentas”!

  3. A tese da professora Adelina deve ser divulgada não somente aos docentes, mas, sobretudo aos estudantes, aos centros acadêmicos e aos reitores, mantenedores, coordenadores e diretores…É importante provocar o debate, mas, envolver todos os atores do processo “educação jurídica”…Vamos aguardar a publicação!

  4. Agradeço à Professora Deisy Ventura pelas contribuições preciosas que generosamente me presenteou na ocasião da defesa e pelo post que me motiva a seguir adiante na empreitada acadêmica. Sou muito grata também à minha querida amiga Mônica Guise que contribuiu ativamente para que o doutorado se realizasse. Prometo informar a todos sobre a publicação, assim que ela ocorrer!

  5. Reconheço sua qualidade, espero a publicação de sua tese,parabéns!…lerei…Abraços, arly.

  6. Ótima tese e brilhante assunto! Certamente será uma contribuição ao campo científico contemporâneo relacionado ao ensino de direito no país.

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s